Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Lendo Hilda Hilst

A cineasta Gabriela Greeb está finalizando "Hilda Hilst pede Contato", um longa-metragem, híbrido de documentário e ficção, sobre as experiências de uma das maiores escritoras brasileiras no campo da transcomunicação instrumental (grosso modo, o diálogo entre vivos e mortos através de aparelhos eletrônicos). A diretora convidou algumas pessoas para interpretações de trechos da robusta produção de Hilda. O registro das vozes surgirá em determinados momentos do filme. Tenho o privilégio de ser um dos convidados. Entre outros escritos que tive a oportunidade - e o deleite - de narrar está “Ama-me”, poema maravilhoso que não me sai da cabeça desde então.

"AMA-ME

Aos amantes é lícito a voz desvanecida.
Quando acordares, um só murmúrio sobre o teu ouvido:
Ama-me. Alguém dentro de mim dirá: não é tempo, senhora,
Recolhe tuas papoulas, teus narcisos. Não vês
Que sobre o muro dos mortos a garganta do mundo
Ronda escurecida?

Não é tempo, senhora. Ave, moinho e vento
Num vórtice de…

Últimas postagens

Logo mais , Black Poetry

Sobre vampirismo e cansaço

Enquanto isso, em 1966

Duas versões

Enquanto isso, em 1983

Eu e Itamar

Disponibilidade

Nesta quarta, 27

Nesta quinta, 21

Agora, as cinco peças